Seringueira - ACRE

Seringueira - ACRE

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Frases para escrever no túmulo


AGRÔNOMO: Favor regar o solo com Neguvon. Evita Vermes.

ALCOOLATRA: Enfim, sóbrio.

ARQUEÓLOGO: Enfim, fóssil.

ASSISTENTE SOCIAL: Alguém aí, me ajude!

BROTHER: Fui.

CARTUNISTA: Partiu sem deixar traços.

ECOLOGISTA: Entrei em extinção.

ENÓLOGO: Cadáver envelhecido em caixão de carvalho, aroma Formol e after tasting que denota presença de Micoorganismos diversos.

ESPÍRITA: Volto já.

GARANHÃO: Rígido, como sempre.

GAY: Virei purpurina.

HERÓI: Corri para o lado errado.

HIPOCONDRÍACO: Eu não disse que estava doente?!?!

HUMORISTA: Isto não tem a menor graça.

INTERNAUTA: www.aquijaz.com.br

JANGADEIRO DIABÉTICO: Foi doce morrer no mar.

JUDEU: O que vocês estão fazendo aqui? Quem está tomando Conta da lojinha?

PSICANALISTA: A eternidade não passa de um complexo de superioridade mal resolvido.

SANITARISTA: Sujou!!!

SEX SYMBOL: Agora, só a terra vai comer.

VICIADO: Enfim, pó 


PESSIMISTA: Aposto que está fazendo o maior frio no inferno.


DELEGADO: Tá olhando o quê? Circulando, circulando.

FUNCIONÁRIO PÚBLICO: É no túmulo ao lado.


Boa semana amigos!

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Vida de cão (Costelinha e Eu)


Em Setembro de 2009 estava eu, viajando a trabalho, quando de repente minha mãe liga e diz: – Volte logo filha, estamos com saudade e temos uma surpresa! Dias depois, chegando em casa, vi a “grande surpresa”! Um cachorrinho fedido, comido de pira, chorão e feio pra caramba! POTA QUELS PARIU! E AGORA? – Leva, leva, leva! Não quero essa “coisa” não. Pelo amor de Deus, onde foi que você arrumou isso Rayanne? (minha irmã) – Na rua né!

Meia hora depois eu já tinha arrumado um cantinho pra ele, tirado foto e brincado com o pequeno monstrinho feio que conquistou meu coração à segunda vista. No dia seguinte então: era ração da melhor qualidade, papinha, coleirinha, brinquedinho, vacina e por aí vai! Mas faltava o NOME daquele pequeno ser, que findou virando Costelinha Oliver, mais conhecido como Costelinha...

Por que diabos botar o nome de um cachorro de Costelinha? Bem, qual é a primeira coisa que você observa em alguém quando o vê? Olhos, cabelo, sorriso... No caso daquele cão o que de cara se via eram as costelas à mostra! Ele tava a própria cara da fome! Triste de dar dó. Nem latia muito pra não desmontar de tão seco, e com isso o apelido virou nome: Costelinha! Ridículo, mas que é a cara dele.  Agora imagina quando ele dá aquele saidinha que demora muito, saio eu gritando pela rua: - Costelinha... Costelinha... Já pra casa Costelinha! kkkk

Hoje meu cachorro não é só um cachorro, é o “MEU CACHORRO”! Meu chamego, meu brother, companheiro... As costelas estão mais recheadas, ele cresceu um bocadinho, as piras foram embora (mesmo tendo deixado o pêlo meio ralinho), e confesso que continua um pouquinho feio, mas já melhorou bastante e é a alegria da casa.

Dentre as várias histórias vividas temos pra contar: passeio de moto (ele dentro da mochila latindo com as orelhas ao vento); Internação por infecção (eu quase morro com medo dele morrer e com medo da conta, e ele, segundo o veterinário, chorava durante horas após a minha visita); Corrida na rua (eu de moto e ele na carreira atrás), pois o objetivo é que ELE, somente ELE se exercite; corte moicano pro carnaval (mamãe quis me matar e Rayanne ria como quando assiste comédia na tv); altos penteados durante o banho... e por aí vai.

Recentemente Costelinha descobriu o amor, descobriu que tem um pinto que não serve somente pra fazer xixi. Ele ficou apaixonado pela cadela da vizinha (falo do animal e não de dona kkk), que inicialmente  era amiga, a “Pretinha”. O problema foi que ela deu pra todos da rua, menos pro bobão que chorava ao vê-la passando, e com isso ele foi em busca de um novo amor. Mês passado o fato foi consumado! Depois de dias enchendo o saco de uma cadelinha (não posso revelar o nome), ele conseguiu a proeza e descobriu que a vida é bem melhor do que antes imaginava. Um minuto de sexo rendeu uma hora de profundo estágio de entrega ao sono. Virou um galanteador! Agora vive com as meninas do bairro, xavecando... No entanto, a história muda quando a competição comum no reino animal vem à tona.

Ontem ao chegar em casa soltei o danado para dar uma voltinha, correr um pouco, fazer suas necessidades... ocorreu que 5 minutos depois ele me volta aos berros, com o rabo literalmente entre as pernas, uma mordida no focinho, outra na costela e não tinha bifinho pra cachorro (que ele ama) que fizesse o bendito se alegrar. Coitado, descobriu que amar é bom, mas que pra conseguir uma amante dói um bocado. Kkk

Faz pouco mais de um ano que essa coisinha “feia-fofa” entrou na minha vida e juro que tem sido uma das minhas maiores felicidades. Chegar em casa cansada, as vezes chateada, enfadada do trabalho, do trânsito, da vida de cão que levo, e ver ele fazendo escândalo ao ouvir o barulho da moto, pulando em cima de mim como se eu fosse a própria felicidade em pessoa na sua frente... É simplesmente mágico!!

Se pretende criar um animal o ame.

“Um cão não precisa de carros modernos, palacetes ou roupas de grife. Símbolos de status não significam nada para ele. Um pedaço de madeira encontrado na praia serve. Um cão não julga os outros por sua cor, credo ou classe, mas por quem são por dentro. Um cão não se importa se você é rico ou pobre, educado ou analfabeto, inteligente ou burro. Se você lhe der seu coração, ele lhe dará o dele.” (Livro: Marley e Eu)


Abraços

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Texto


Memórias da Infância e do sábado passado


(texto inspirado em reflexões pessoais, saudades e um dedinho de prosa com Laélia)

Observando o comportamento das minhas irmãs de 11, 13 e 14 anos, que: entram casa adentro sem dar um “Oi”, que fazem suas refeições em frente a TV e passam o dia no computador sem ao menos desejar boa noite na hora de ir pra cama, percebi a diferença entre nossas gerações...
Nasci em 1989 e, mesmo sendo aparentemente pequena a diferença entre nossas idades, é tudo bem distinto. Temos a interferência da educação, da formação de princípios, do ambiente onde fomos criadas, das pessoas com quem nos relacionamos e convivemos, do contexto histórico e por aí vai... Enfim, NINGUÉM = NINGUÉM. Contudo, é gritante o desacordo do cotidiano e das idéias entre todas nós. O sentimento desta reflexão (e recordação) é de que me sinto privilegiada pelos belos anos da minha infância.
Nasci em Manaus e lá estive até final de 1999, antes de vir para o Acre de vez. Durante a infância aconteceram algumas poucas vindas de férias à Rio Branco e uns dois anos em Fortaleza, ainda bem pequena (saudades do mar). Quando criança tive o prazer de brincar na rua (ô coisa boa cara!), me sujava a ponto de ter tanta terra no corpo que dava para plantar verduras em algumas partes, sem falar na capacidade de movimentação e comunicação entre a gente (minha mãe brinca ao lembrar dessa época e diz que depois que fui embora o bairro sossegou). Eu saía de casa em casa e juntava tantos meninos e meninas que até Deus duvidava que existissem tantos pequenos projetos de gente na antiga Rua Nova (hoje Rua Adolpho Marques). Era menino de todos os tamanhos, idades, cores e personalidades. Tinha a tribo dos palhaços (eu estava por alí), os arteiros (eu também estava por alí), os mais brigões, os criativos (ixe, inventam cada uma...), as meninas mais tímidas, as fofoqueiras, as da galera, que se davam bem com todo mundo, os aventureiros, os que só apareciam na hora de comer, os que viviam se machucando nas brincadeiras, os apresentados, os representantes e os que todo mundo conhecia, (eu tava no topo), pois minha mãe gritava tão alto me chamando pra casa que até a galera do final da rua ouvia...
Adorava pular corda, elástico (eu acabava com todos os rolos de elástico da minha mãe, que era costureira), jogar futebol, vôlei – esporte que nunca fui boa, mas adorava brincar dos 5 toques com a bola... (e não era messssmo boa nisso), sempre pagava de pereba do time, conseqüentemente pegava cada cortada no lombo. Também tinha barra bandeira (uma linha na rua de ponta a outra dividindo duas equipes que tinham que pegar a “bandeira” do adversário – bandeira que na verdade não era bandeira, ou era um chinelo de alguém da galera, ou um ramo de mato mesmo, arrancado da calçada de algum vizinho. A gente se puxava tanto... dava rasteira em quem entrava no nosso campo como um capoeirista profissional e saía com o coro do joelho em carne viva, com os braços arranhados de tanto se puxar, e no final só uma boa e velha coca cola pra apaziguar as tantas porradas e brigas que aconteciam... Tinha “Taco Ball”, em Rio Branco chamam de Betes, tinha pára feijão, pega, esconde, estátua, peteca, que inclusive dava muita briga, pois quando fazia o circo pra “casar” cada um com a sua peteca, sempre tinha um engraçadinho que gritava de lá: TÁ FALTANDO, TÁ FALTANDO! Ai o pau comia!! A galera se jogava de facada nas petecas, neguinho que num casou saia com três na mão, neguinha que casou tacava a bifa pra tomar pelo menos a sua... Vixe, confusão total! A gente levantava pipa (ou papagaio) e tacava cerol (cola com caco de vidro moído na linha) só pra passar o rodo nas pipas dos moleques das outras ruas rsrsrs. Banho de rio no porto da balsa (ta certo que tinha até uma nata visível de óleo na água devido a grande quantidade de balsas e barcos que ali transitavam), mas na época ninguém se importava, achava até que ajudava no bronzeado, alias, até hoje não ouvi nenhum relato de doença relacionada ao fato, contudo talvez eu deva ter ficado mais negra por isso (kkkk). Pife no baralho ou dominó (mesmo sem saber contar direito), banco imobiliário, jogo da vida, dama, ludo e vários outros tabuleiros desses.
Tinha corrida apostando NADA, pois nunca ninguém pagava o 1 real ou a coca apostada. Roubar manga no cemitério  era de  lei... Carona na traseira de carros pra subir a ladeira, carrinho de rolimã (que também era uma forma de conseguir grana, já que havia um lugar no bairro que disponibilizava água de graça, então nos sábados nós fazíamos o serviço de “leva e trás” – “Leva o balde vazio e traz cheio que te pago 30 centavos moleque!” E lá íamos nós, toda a renda se revertia em peteca, pipa, horas de vídeo-game na locadora, coca-cola com pão doce, biscoito Parmalate, dentre várias outras coisas que a gente sempre comprava pra rachar com a galera. Também prestávamos outros serviços, limpeza de tumba no cemitério pro dia de finado (dava uma boa grana), uma tiradinha de fruta ou outra no quintal de algum vizinho, coleta de garrafa de vidro pra trocar por picolé com o cara da Kombi: - OLHA O PICOLÉ... TROQUE SUA GARRAFA POR UM PICOLÉ... gritava o cara no carro. Também tinha a coleta de alumínio para revenda, panela, telha, latinha... Nossa, como eu tinha coragem de trabalhar naquela época, hoje vou comprar pão de moto pra não ter que andar uns metros até a birosca perto de casa e no supermercado compro suco de caixinha pra não ter o trabalho de comprar fruta, fazer poupa, bater no liquidificador, adoçar, servir no copo e sujar pra lavar depois... Resultado da praticidade não é? Tecnologia à favor da facilidade, mercado que descasca por nós, mistura por nós, tempera por nós e inclui um monte de porcarias pra render e conservar, tudo isso baseado na desculpa da “falta de tempo” que nos torna mais preguiçosos a cada dia... triste não? Me sinto um pouco assim! Ivone me disse uma vez que minha geração é de “bocas moles”, que tudo é acessível sem o mínimo de trabalho, lembrei das castanhas que antes quebrava atrás da porta, descascava no dente e comia ali mesmo, fresquinha... e hoje compramos industrializada, descascada, temperada, desidratada e super cara.
Festa de Cosme e Damião, NOSSAAAA! Era o acontecimento do ano, havia toda uma programação feita pela molecada semanas antes do evento, tudo pra chegar na hora certa da distribuição dos melhores bombons, bolos, brinquedos e até refeições... Minha mãe ficava doida porque somos católicos e nesse dia a  molecada toda  ia comer e pegar bombom nos terreiros do bairro kkk. Sem falar na operação BAIRRO VIZINHO, para manter o estoque de bombons pro resto do ano não dava só pra coletar no São Raimundo... aí rolava a missão extra zona onde já sabíamos todos os terreiros e residências que distribuíam altos doces nas redondezas. Dor de barrida e lombrigas felizes, era o resultado de tudo isso.
Tive contato com o campo, nos sítio dos meus avós, brincando com os primos no mato, catando fruta no pé, tomando banho de igarapé, pescando, tirando leite de vaca, andando à cavalo, se intrometendo em fazer farinha, pé de moleque, doce de leite na panela preta, no fogão à lenha no fundo da casa, alimentando os porcos, moendo café, plantando macaxeira, cupuaçu, maracujá (isso chama-se trabalho infantil viu mãe!) e também acompanhando a tecnologia e o que tinha de bom na TV, locadoras de vídeo e no mundo dos games.
Adorava TV cultura, na verdade até hoje, claro que com uma pequena diferença na programação. Via religiosamente castelo rá-tim-bum com o Nino e a série rá-tim-bum que era bem louco, experimental, meio trash na verdade vendo hoje em dia (Fernando Meireles era produtor e roteirista desse programa – já era apaixonada pelo trabalho do cara e não sabia que a vida me levaria a perpertuar essa paixão). Tinha: As aventuras de TIM TIM, Cocoricó, Sítio do Pica-Pau Amarelo e outros mil... TV cultura era mais “alternativo”, mas também curtia outras coisas, nem todos gostavam dos programas educativos da Cultura, aí tinha: TV colosso, Xuxa, O fantástico Mundo de Bobby, Eek the cat (do gato rocho), Papaléguas, Tom e Jerry, Capitão Planeta (já era uma pequena ambientalista viu), Doug Funny (- Patti você é minha maionese ôôô. Você é o açúcar do meu chá. Patti você é o molho do meu cachorro quente... ai ai ai). Cavaleiros do Zodíaco, Ursinhos Carinhosos, Thunder cats, He-man, Caverna do Dragão (alguém sabe me dizer se eles voltaram para o parque?), Batman, Família Addams e tantos outros, além de filmes, séries e por aí vai.

Atari já tava saindo, Nintendo bombava e confesso que video-game foi e é um vício ainda. Se não tava na rua ou no sítio, tava entocada em casa jogando ou fazendo campeonato de Super Mário, futebol, corrida de carro.
Quando tinha uns 3 anos sofri um acidente em casa (isso em Rio Branco), achei que era  a mulher invisível e me estabaquei na porta de vidro da sala dos meus avós, resultado - um pedaço de vidro no abdômen e uma cirurgia pra tirar os cacos = dois belos cortes na barriga, mas... se teve uma coisa boa dessa experiência foram os presentes pós operatórios... Ganhei brinquedo de todo jeito, bicicleta e um Vídeo-Game, não lembro se era mega drive, mas lembro que vinha com o joguinho do Sonic “MEOOOO DEUSSS” foi um dos melhores presentes da minha vida, meu pai maluco prometeu me dar se eu deixasse ele mesmo tirar os pontos da minha barriga (DÁ PRA CRÊR?).

Depois veio o Super Nintendo com os clássicos Mário, Top Gear, Aladim, Donk Kong, Campeonato Brasileiro 96, meus primos jogavam RPG, coisa que só vim entender uns anos depois, eram: Final Fantasy, Zelda, Castlevania, (jogo de nerd). Hoje eu jogo!  kkkk

Não tive muita Influência musical, mas a paixão já existia, passei meses com o cd do Kid Abelha (isso aos 8 anos, eu acho), cd de alguém que não lembro bem, mas passava dias cantando (fazer amor de madrugada – EM CIMA DA PIA DEBAIXO DA ESCADA). Roubei o Skank do meu pai (pacato cidadão, ô pacato da civilização... é proibido fumar – MACONHA!), adoraaaaava e  nem sabia o que era MACONHA que tanto a galera cantava  no finalzinho do refrão kkk Também teve a fase do "entrei de gaiato no navio... entrei, entrei, entrei pelo cano..." - (Paralamas do Sucesso). Meus primos ouviam Legião, mas só fui gostar mais tarde, meu primeiro contato foi num livro de história do Brasil que tratava da descoberta do Brasil – logicamente, tinha um trecho da música “Índios”, fui perguntar pra minha prima Clênia como se cantava e ela sempre paciente comigo disse: - Tá tá tá. (Jura que ela me ouviu né! Boiei legal...) Depois de um tempo, no ano dos apagões, lembra...? Bom, num desses dias de apagões, tive a brilhante idéia de passar a vassoura no pé da Clênia (a prima-ogro, a que não me ouvia, citada anteriormente kkk), pois bem! Ela pensou que era uma aranha a porra da vassoura no pé! VÉÉÉÉIIII... Clenia pegou um PUTA susto e eu só tive tempo de dar um risadinha, porque ela me deu um soco nas costas que quase descola o meu pulmão! Passei duas horas respirando com dificuldade! kkkk Eu era uma peste, ela era um ogro... isso ia dar em merda de qualquer forma!
Ainda falando de música, volta e meia eu ouvia Alanis, Legião, Paralamas, Titãs, Pato Fu (lá a MTV era grátis) o que de certa forma me inspirou...

Sendo assim posso dizer que tive SIM uma boa infância, os prazeres das brincadeiras na rua, a época que palmada pra educar não dava cadeia e ajudava sim na educação, o hábito de pedir a bênção dos pais, tios, avós, o respeito aos mais velhos, a chegada do Karaokê, a mudança das mídias de fita para CD, o prazer de almoçar em família e não cada um no seu quarto. Na curiosidade em saber da vida de alguém não xeretar uma página na internet, mas ler os cadernos de pergunta e resposta que rolavam na escola e no bairro, de ter um melhor amigo real.

Acredito que houve equilíbrio entre o que era tradicional e o acesso ao novo, o processo de crescimento junto com a cidade, as tecnologias, a mudança, sem perder o contato com o verde, com o rio, com os bichos, o respeito herdado para com a natureza.

Hoje, não sendo extremista, afinal o mundo muda e tenta ser pra melhor, mas HOJE, vendo minhas irmãs que são 10, 8 e 7 anos mais novas que eu, vejo o quanto elas perderam de bom da minha época.

Hoje, além dos problemas ambientais sérios e desastrosos, das dificuldades econômicas e sociais relatadas todos os dias e geradas pelo crescimento necessário, porém irresponsável, há também algo que o novo, que o futuro trouxe, e que não nos faz muito bem...

A AUSÊNCIA DO CONTATO COM TATO!

Por exemplo: Olhe no seu Orkut, quantos “amigos” você tem nas redes sociais. Conte quantos estão lá porque você conhece de fato, por estarem inseridos na sua rotina,  intimamente, afetivamente, ou mesmo profissionalmente, mas que você conversa, olha no olho, almoça junto ou sei lá. Que você conviveu ou convive, que você TOCA, que (mesmo a distância) são importantes e efetivos em sua vida. Após isso, separe quantos viu uma vez na vida e adicionou para posteriores contatos e os que não vê ou verá nunca, que estão somente sendo números ali, sem o mínimo de carinho ou afetividade. REFLITA SOBRE ESSES NÚMEROS!

O que não podemos deixar é que nossos sentidos morram! É deixar que um scrap para seu amigo substitua uma ligação, um encontro, um abraço, uma bebedeira...

Às vezes me pego presa a uma tela mandando mensagens a pessoas que amo mas que não vejo a meses, mesmo morando na mesma cidade, no mesmo bairro, mesmo amando de verdade essas pessoas...

Mensagem, torpedo, contato são importantes, pois se encaixam perfeitamente como complemento das relações, mas isso não substitui seu toque, sua presença, seu colo, abraço, beijo... Então aproveite um dia dessa semana, desligue o computador e vá ver alguém, um amigo, alguém que verdadeiramente ama, distribua carinho, relembre, sinta...

Bem vindo à tribo do abraço!

Boa semana queridos.

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Fotos Rio Branco











 

 Catedral Nossa Senhora de Nazaré 
Foto: Rafaela Oliveira 


 Palácio Rio Branco
Foto: Rafaela Oliveira 



 
Feira Cientifica SESC








Teste Macro com a Lente bichada

Fotos: Rafaela Oliveira


Fotos 09/2010 - Últimas fotos com a lente bichada kkk

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Fotos: Rafaela Oliveira - Cruzeiro do Sul 2009

Teto da Catedral de Cruzeiro do Sul 
Rafa: Rafaela Oliveira


 Catedral de Cruzeiro do Sul
Rafa: Rafaela Oliveira


Escadaria - Catedral de Cruzeiro do Sul 
Rafa: Rafaela Oliveira



Escadaria - Catedral de Cruzeiro do Sul 
Rafa: Rafaela Oliveira


Catedral de Cruzeiro do Sul 
Rafa: Rafaela Oliveira

Fotos 2009

Fotos: Rafaela Oliveira

Certamente você já viu um desse, mas não de pertinho assim!
 Foto: Rafaela Oliveira


Inseto
  Foto: Rafaela Oliveira


 Depois da chuva
  Foto: Rafaela Oliveira


  A beleza das pequenas coisas
  Foto: Rafaela Oliveira


 Aço
  Foto: Rafaela Oliveira

Texturas
  Foto: Rafaela Oliveira

Aprendendo a usar o modo macro (fotos feitas no quintal de casa 10/2010)

Fotos: Rafaela Oliveira

 Olhar 
Foto: Rafaela Oliveira


 Borboletas à beira da estrada
Foto: Rafaela Oliveira

 Intagindo com as Borboletas
Foto: Rafaela Oliveira
 
Interior de si
Foto: Rafaela Oliveira


 Inseto
Foto: Rafaela Oliveira


Pegadas
Foto: Rafaela Oliveira
Fotos feitas no mês 10/2010, visita as comunidades do riozinho do rôla (viagem a trabalho)

Fotos: Rafaela Oliveira

Textura - Fungos
Foto: Rafaela Oliveira

 Luz na Janela
Foto: Rafaela Oliveira
 
Flor Amarela
Foto: Rafaela Oliveira


Azul
Foto: Rafaela Oliveira


Mãos firmes de quem conseguiu chegar
Foto: Rafaela Oliveira
Fotos feitas no SESC durante aulas da Oficina Fotografia e Cidade

Hannibal


(escrito em 20/07/2010)

Isso certamente já aconteceu com você um dia: “porra, preciso ver aquele filme!”. Sabe aquele que foi bem legal, mas que dos vários da série você só viu um, ou se viu mais foi um pedaço, ou se não viu ouviu falar e agora... não sei por que diabos pintou um “VOU VER E É HOJE”! Bom... Eu fiz isso num final de semana desses. Já havia visto o suspense policial DRAGÃO VERMELHO (vers. 2002) e sempre me prometia alugar todos e devorá-los de uma vez, e foi o que fiz, no entanto me deparei com um questionamento interessante: “por que as pessoas que indicam os filmes de HANNIBAL sempre se confundem na ordem correta deles?”. Juro! Joga no Google pra vê, o que tem de neguinho perguntando a ordem e obtendo divergentes resultados num tá escrito.
Através disso deixo esta nota simples pra você que deseja ver ou rever a trilogia HANNIBAL, que na verdade tem 4 filmes, sendo o quarto lançado em 2007, HANNIBAL – A ORIGEM DO MAL, é simples...  SIGA A ORDEM CRONOLÓGICA DE LANÇAMENTO!!!
Isso parece bem lógico, porém as pessoas se confundem na organização devido estes terem um intervalo de tempo significante entre eles e ser do tipo "de trás pra frente" sabe como é, histórias interligadas, mas que se apresentam em ordem não óbvia "o que particularmente é mais interessante”, mas tem gente que não se conforma com isso, incluindo: o povo na fila da locadora (incluindo a atendente), seu primo, amigo ou amigo do amigo... A maioria indica que você veja de trás pra frente ou tudo misturado mesmo e assim você ouvirá todo tipo de comentário: “não, o primeiro é o outro que ele é jovem...” “Não, não, é o que ele tá solto...” “Não é o que tem participação especial do Bob Esponja...” HÃÃÃ... COMO ASSIM MEU POVO!
Enfim, é tanto pitaco ...  e você precisa ver a precisão com que se afirma, é bem convincente, de verdade... só que tem coisa que num devem ser alteradas, se não perde a graça, e filmes em série é uma dessas coisas KKK ! Imagina ver no primeiro DVD do Shek ele casado e com um monte de Sherekizinhos ... Não rola um sentido! J
Além de uma nota aparentemente insignificante, isso aqui é um desabafo, porque vou lhe dizer meu “cumpadi”, o camarada falar que você deve ver os filmes organizados do último pro primeiro ou sem organização nehuma, algo que é EM SÉRIE, pra mim é a mesma coisa que pronunciar: “você é uma anta nordestina incapaz de compreender, então vê do final pro começo que assim você TALVEZ não se perca certo!?”...  Cada um que me surge.
Por isso, se for ver essa belíssima série de suspenses, baseados no livro de Thomas Harris sobre o psiquiatra canibal Dr. Hannibal Lecter, encontrará os seguintes lançamentos no menu:

1° - Dragão Vermelho (Manhunter - 1986




                           OU







Versão, lançada em 2002 como o ator Ralph Fiennes como o “fada dos dentes”. Independente da versão que você opinar, Dragão Vermelho é o primeiro filme da série.


 
 



2° - O Silêncio dos Inocentes (1991).












3° - Hannibal (2001).





 


4° - Hannibal – a origem do mal (2007).




Para você que verá, certamente será um prato cheio de empolgação, inteligência e um pouquinho de carne humana é lógico...
Bom filme!

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Panamazônia - Não deixe de ir !

Vai começar a Feira Panamazônia 2010 Imprimir E-mail
Escrito por Samuel Bryan e Wescley Camelo   

Evento que reúne representantes do Brasil e de mais nove países celebra e discute a economia solidária

feira_pan_amazonica_foto_angela_peres_01.jpg
feira_pan_amazonica_foto_angela_peres_06.jpg
Tendas estão sendo montadas no Horto Florestal de Rio Branco para receber o evento (Fotos: Angela Peres/Secom)
O Horto Florestal de Rio Branco recebe a partir das 8h30 desta quarta-feira, 20 de outubro, a II Feira Internacional Panamazônia de Economia Solidária e Agricultura familiar, além da I Mostra de Produtos e Serviços Econômicos Solidários, que serão realizadas até o dia 24, reunindo mais de 300 expositores e representantes de nove países da América do Sul e Central. São muitas as novidades deste ano, entre elas, uma maior diversidade de produtos, venda de mel, piscicultura, com exposições de peixes, aviário, além de uma diversificada exposição de artesanato. Uma programação cultural também foi montada, trazendo atrações como os músicos Álamo Kario, Verônica Padrão e cinco apresentações teatrais. A meta é superar os 70 mil visitantes do ano passado.
De caráter internacional, a Panamazônia 2010 tem o objetivo da integração, a troca de experiências, divulgação de produtos e fortalecimento da economia solidária. "É a celebração de uma economia diferente, que não é de lucro, nem exploração, uma economia para a vida", conta Márcia Lima, coordenadora executiva do Fórum Brasileiro de Economia Solidária.
Neste ano, 300 expositores de todos os estados do Brasil se reúnem para apresentar seus produtos, sendo 151 acreanos, contra apenas 80 do ano passado. Uma superestrutura foi montada no Horto Florestal para os cinco dias de feira. Mais de 120 homens trabalharam para dar ao espaço acomodações e estrutura para todos os expositores.
Além do Brasil, mais nove países fazem parte da Panamazônia, entre eles Guatemala, México, Bolívia, Peru, Uruguai, Venezuela, Argentina, Paraguai e Chile. Representantes desses países também se reúnem nos seminários realizados durantea feira, todas voltadas para o desenvolvimento da economia solidária, contemplando uma integração desses países e explanando sobre uma nova forma dese fazer economia.
Acesse aqui a programação completa
 

Cultura popular é destaque na Panamazônia

Atrações musicais, teatro, artes plásticas e demais manifestações culturais genuinamente populares serão destaques na Feira Panamazônia. A coordenação cultural da feira está a cargo de Gilmar dos Santos Rodrigues, que é funcionário do Instituto de Colonização e Reforma Agrária (Incra), um dos parceiros na realização da Panamazônia. Ele explicou que as atrações serão desenvolvidas pelas fundações de cultura Elias Mansour (FEM) e Garibaldi Brasil (FGB).
Além da música e do teatro, haverá também atividades de valorização do folclore. No espaço onde existe uma pequena floresta de açaí, será montada a "Floresta Encantada". Ali, animadores culturais vão atuar na contação de histórias e apresentarão músicas, poesias e contos relacionados à temática regional.